musica,livros,vida,amor,sol,bem estar,sociedade

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Amelices e outros estados de alma

50 e´s ainda à procura do sentido da vida.

50 e´s ainda à procura do sentido da vida.

Amelices e outros estados de alma

16
Jun17

Filhos de um Deus menor


Beia Folques

MARGARITA SIKORSKAIA.jpg

Qualquer famosa figura mediática tem contratos milionários com várias marcas, algumas dessas marcas os obrigam a ter uma conduta livre de escândalos ou que não levante qualquer tipo de polémicas, isso envolve drogas, jogo, relações amorosas ou não, etc. Uma conduta angélica, sem margem para questões que possa obrigar a marca a ter que se desmarcar da estrela. As marcas ao definirem essas premissas fizeram um estudo prévio na sociedade, e do mesmo apoia-se no que é politicamente correcto. As hipocrisias do costume!

Esses contratos acabam por ser espartanos, ditatoriais, limitando a liberdade do contratado. Ficando esses refém da marca.

 

Posto isto só me ocorre que princípios se rege o mundo das marcas e da sociedade em geral.

 Para as marcas não é problema alugar uma mulher para entregar o filho/filhos. Ter um comportamento egoísta onde se nega ao filho o carinho, o colo, o calor de uma mãe é passível de ser considerado de justificável. Onde é ignorado o filho comprado nunca poderá usar a palavra mãe. Onde o superior interesse da criança não é avaliado. As marcas e a sociedade vivem bem com isto ? o dinheiro dá direito a comprar filhos, infelizmente é essa a mensagem que se passa…Um filho pode ser tratado como um objecto negociável isto é simples mercadoria, a estrutura familiar pode ser ignorada, o maior interesse da criança pode ser desprezado. É tudo uma questão de valores monetários.

 

A mensagem que esta criatura mediática transmite acerca da sua opinião sobre as mulheres incomoda-me. O seu cepticismo em relação ao sexo oposto, a sua desconfiança indigna-me. A falta de respeito e consideração que tem por elas, pois só as encara numa perspectiva de usá-las para um fim. Com a sua atitude assume que o sexo oposto é algo dispensável, desnecessário, utilizável e descartável. Basta ter dinheiro e somos os donos dos nossos filhos.

 

Os filhos não nascem a partir de um projecto de vida em comum entre 2 pessoas, onde cada um contribui com o seu papel, de um acto de amor. Mas sim de um devaneio egocêntrico e egoísta de alguém. Da  megalomania de pensarmos que somos pequenos deuses.

 

A mensagem que as marcas passam é que as mulheres são objectos rotuladas do pior, os filhos podem ser comprados desde que tenhamos dinheiro para tal. A sociedade acha isto aceitável, é uma total ausência de valores.

 

Também não entendo o silêncio da sociedade civil em geral, dos meios de comunicação que não fazem uma discussão séria sobre “barrigas de aluguer” e das feministas em particular sobre este assunto.

 Esta prática em si está errada, nem pode ser considerada moderna ou pioneira porque é só e somente criminosa.

Ps- o contrario também considero criminoso, negar ao filho o direito de ter um pai.

 

Quadro de Margarita Sikorskaia

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D