musica,livros,vida,amor,sol,bem estar,sociedade

Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Amelices e outros estados de alma

50 e´s ainda à procura do sentido da vida.

50 e´s ainda à procura do sentido da vida.

Amelices e outros estados de alma

20
Out17

I want you to want me - Cheap Trick


Amélia Folques

ctrich0.jpg

Nas minhas idas e vindas de carro oiço muita música na rádio. Aconteceu esbarrar nesta I want you to want me dos Cheap Trick. Fiquei com o refrão a ecoar na minha cabeça, ao fim do dia acabei por parar para pensar porquê. Talvez porque seja tão difícil amar alguém que se ache auto-suficiente, concluí. 

I want you to want me

I need you to need me

I'd love you to love me

I'm beggin' you to beg me

I want you to want me 

Um namorado, marido, amante, companheiro o que seja que se ache auto-suficiente, hermético, fechado e reservado, que esteja revestido de uma armadura está ausente, indirectamente sabotando a relação.

Não se quer revelar, esconde-se e protege-se atrás da sua aparência soberana. Mas que erro se o outro o ama, protege-se de quê? Não será uma boa ocasião para depor as armas.

 A vantagem de alguém te amar é que estás automaticamente liberto da carga do julgamento fácil, da punição, da avaliação negativa e caustica. És aceite pelo que és, com toda a carga boa e os dissabores que te completam.

Só desnudando as nossas fragilidades, expondo o nosso eu, abrindo o nosso interior é que nos damos a descobrir. Só assim a relação pode crescer, a partir da revelação, confissão completa e sincera do que vai em nós, e ser algo a dois, a partilhar, a comungar.

Amar é o acto mais desprendido e generoso que existe. Se o outro é relutante em te aceitar como és, condena-te de uma forma velada ou não os teus erros, medos, transgressões, exageros, culpas e faltas então não é amor, é outra coisa qualquer.

Como se vive com alguém auto-suficiente, tudo o resto é dispensável, tu és acessório, não és crucial? Como se chega ao outro se o outro tem um muro? Como podes pedir ajuda, apoio, se o outro não te pede? Como clamas atenção e amor se o outro não exterioriza esse tipo de sentimentos? Como mostras as tuas limitações, medos se o outro nunca os tem? Como imploras, como suplicas, como “gritas” se não fazem parte da linguagem do outro nenhuma destas expressões? Como dizes sinto a tua falta, tenho saudades se o outro nunca o verbaliza? Limpa-me as lágrimas se o outro nunca as verteu? Como se pede um abraço se o outro está refém dentro da sua torre de marfim?

Eu em particular preciso de me sentir útil, que o meu contributo seja uma ajuda, um apoio. Que recorram a mim, para eu poder dar amor, carinho, uma palavra, um sorriso, conforto. Tenho necessidade absoluta em estar lá para o objecto do meu amor, tenho uma necessidade primária que o outro se socorra em mim e o reconheça. Que necessite de mim, que precise de mim, que tenha a generosidade de pedir-me algo, o que seja, para que eu possa saber que sou peça importante nesta relação. Para me sentir valorizada porque o outro conta comigo, preciso desse protagonismo.

Uma relação é feita de meias partes que formam um todo. Não pode ser só um o vulnerável, o exposto e o outro a figura de corpo presente, impenetrável, auto-suficiente e orgulhosamente independente.

 Para a relação ser biunívoca, este processo tem que fluir nos 2 sentidos. Sem armaduras, sem falsos discursos de auto preservação, sem reservas. Com uma mão cheia de nada para receber e um coração cheio de tudo para dar. Quero olhar nos olhos do outro e ver o interior, não estarem embaciados e a atitude não seja de independência e distancia. Como o estar próximo fosse uma violação do espaço e da liberdade do outro.

Porque precisamos do outro para viver e só podemos pedir esse compromisso se o outro também estiver disposto a isso, a comungar, a dividir, a partilhar, a socorrer.

Ninguém quer ser sempre a parte fraca por isso este tipo de relações dificilmente sobrevivem. Em boa verdade a parte fraca foi sempre a parte mais forte. 

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 21.10.2017 11:46

    Não sei porque fica aqui "anónimo"!!! Sou eu, a Cristina Bettencourt, ora essa!
  • Imagem de perfil

    Amélia Folques 23.10.2017 13:39

  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Mais uma vez um fantástico texto, muito actual nes...

    • Anónimo

      Adorei o seu texto, sem dar por ela estava na minh...

    • Triptofano!

      Usar luvas não faz sentido nenhum - é preferível l...

    • cheia

      É pena que não dêem o exemplo! Mas, usar máscara e...

    • Amélia Folques

      é um livro encantador. Bjs

    Mensagens

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D