musica,livros,vida,amor,sol,bem estar,sociedade

Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Amelices e outros estados de alma

50 e´s ainda à procura do sentido da vida.

50 e´s ainda à procura do sentido da vida.

Amelices e outros estados de alma

16
Abr20

Sinais dos tempos


Amélia Folques

 

Estive no mundo das telecomunicações 30 anos. Entrei nesse terreno fértil logo que acabei o curso em pleno grande boom das telecomunicações, no enorme projecto da digitalização das centrais telefónicas em Portugal. A modernização da rede CTT e TLP estava a cargo da Siemens e da Alcatel, eu era colaboradora da Siemens.

Não posso dizer que tudo o que hoje nos socorremos para viver nestes dias estranhos e que nos apoiamos fortemente que são as tecnologias seja graças a estas duas grandes empresas porque já existia uma rede telefónica Nacional. Limitámo-nos a enriquecê-la, agilizá-la e modernizá-la.

Fui da Siemens para os CTT que foram TP que foi PT que passou a Meo e por fim Altice.

Nesses tempos entraram facilidades nos telefones fixos impensáveis para as pessoas: aviso de chamada em espera, voice-mail, identificação do número ou números confidenciais, facturação detalhada, lista telefónica, etc e etc. No meio de tanta sofisticação havia um modelo de telefones da Siemens que tinha um visor onde se podia ver o outro interveniente. Este telefone não teve aceitação nos nossos clientes talvez pela estranheza para a época de tal funcionalidade ou pelo valor do mesmo, na Alemanha também foi descontinuado. Suponho que na altura a videoconferência fosse simplesmente demais.

Seguiram-se os faxes, bips´s e telemóveis de "chumbo", depois vieram os modens com as suas luzinhas e apitos que nos ligavam à net. 

Aí surge a minha primeira experiência em teletrabalho. Recordo-me em noites de temporal na Madeira de pijama em casa ligar o modem estabelecer a ligação ou melhor desligar e ligar 100 vezes e depois aceder à central digital para ver os alarmes que havia para distribuir pelas diferentes equipas de prevenção. Era uma empresa que privilegiava sempre o serviço ao cliente. Geralmente eram problemas de transmissão ou de energias e as povoações ficavam isoladas.

Apareceram as salas de videoconferência. Cheguei a ser responsável operacional pela unidade do Funchal, eram umas salas sonorizadas e bastante sofisticadas que alugávamos aos clientes para fazerem reuniões com os seus parceiros de negócio noutros pontos do globo. O que se aproxima mais ao actual Zoom ou Hangout, mas saindo do conforto e descontracção do nosso lar e tudo feito com outro protocolo e rigor que o ambiente assim o exigia.

Com a tecnologia móvel tudo cresceu, os telemóveis foram evoluindo ficando cada vez mais robustos, aperfeiçoados e com funcionalidades inimagináveis. Dando-nos o que nem precisávamos até ao dia de hoje.

E entrou a fibra e tudo deu novo pulo. A rede ganhou outra fiabilidade, segurança e rapidez. Os computadores transbordavam aplicações, estávamos ligados por áudio e vídeo ou mesmo pela escrita era correio virtual e mensagens, jogos, programas para trabalho ou meramente recreativos, clouds, motores de busca, arquivos, informação de toda a espécie, etc. Mais uma vez foi-nos oferecido mais do que precisávamos e quantas vezes nos interrogamos para que serviria tanta parafernália tecnológica.

Até ao dia de hoje.

Quando estamos confinados à nossa casa e ela tem que ser o nosso lar e o nosso local de trabalho; ela tem que ser a sala de reuniões para reunir com o cliente; tem que ser o café para trocar impressões com os colegas de trabalho, amigos ou família; tem que ser o nosso ginásio; igreja; shopping; tem que ser a sala de aulas dos mais pequenos ou universitários; tem que ser o recreio da escola e tantas outras coisas mais que a vida nos desafia neste infame momento e nós com a nossa imensa capacidade de adaptação nos reinventamos.

Com todo o meu espanto constato que estive toda a minha vida profissional envolvida para preparar o país para este momento da História da Humanidade como colaboradora de uma empresa de telecomunicações.

Já não trabalho para a Altice agora faço algo completamente diferente, mas que me dá imenso gozo e prazer, sou consultora imobiliária. A palavra teletrabalho ganhou nova dimensão. Na minha nova actividade profissional só tenho que agradecer às empresas de telecomunicações que facultam a possibilidade de todos nós podermos continuar com a vida profissional; que possamos dar apoio e comunicar com a família, grupo de amigos e colegas de trabalho quer seja por voz ou via outra plataforma que forneça o serviço áudio e vídeo; que os mais novos possam continuar com o seu projecto pedagógico e educativo; poder fazer compras que de outra forma é impossivel; usufruir de aplicações de lazer ou outras que nos fazem aprender, crescer ou só mesmo entreter.

Agora vejo-me a falar com os meus clientes a propor reuniões via internet, a sugerir open houses virtuais ou visitas virtuais aos seus imóveis, a querer vídeos do interior do mesmo porque a situação assim o exige e convém colocar no link de promoção do imóvel toda a informação possível e mais alguma porque até há quem compre casa via internet. Algo que seria irreal no mercado Português.

Encontro-me associada a uma empresa americana e constato como eles já aproveitavam e exploravam todas as plataformas tecnológicas em proveito do negócio por isso se encontram num nível muito superior ao nosso, a vantagem é que se aprende imenso com eles. Nós somos mais da proximidade, do olhar directo, do “tacto”, da informalidade, estes comportamentos já estão a ser alterados por outros mais distantes e técnicos sendo igualmente funcionais e produtivos. Nada vai ficar como era dantes.

Só penso como seria este planeta se o diabo do Corona vírus tivesse aparecido há 30 anos. Se o país está quase parado aí teria afundado completamente e a palavra confinação ainda seria mais dura, mais pesada, mais pobre e mais só.

pjimage.jpg

https://www.facebook.com/AmeliaFolqueskwPortugal/notifications/

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Anónimo

    Mais uma vez um fantástico texto, muito actual nes...

  • Anónimo

    Adorei o seu texto, sem dar por ela estava na minh...

  • Triptofano!

    Usar luvas não faz sentido nenhum - é preferível l...

  • cheia

    É pena que não dêem o exemplo! Mas, usar máscara e...

  • Amélia Folques

    é um livro encantador. Bjs

Mensagens

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D